Capítulo 1 - Uma discussão e tanto

Coloquei o título “Javascript e Acessibilidade”, pois foi esse o causador de uma das maiores threads no grupo Javascript Brasil. O debate iniciou quando um dos usuários perguntou a opnião dos participantes do grupo sobre alguns sites que ele havia desenvolvido: http://www.congressoatitude.com.br http://www.aredesforgirls.com.br

Pessoalmente gostei bastante dos 2 sites. Mas a pergunta dele era no quesito acessibilidade, e foi ai que as coisas esquentaram. Para minha surpresa muitas respostas guiavam para a não utilização de Javascript, ou pelo menos para dosagem de seu uso.

Muitos defendiam a idéia de se desenvolver 100% com HTML puro,  para assim garantir a funcionalidade “universal”, seja em um PC convencional com Javascript desabilitado, ou em Mobile, ou qualquer outra coisa que interprete HTML. Novamente me surpreendendo, alguns afirmaram que o Javascript era um exagero em algumas páginas.

Capítulo 2 - O que é acessibilidade?

Segundo o texto tirado da Wikipedia Acessibilidade é:  " Não apenas permitir que pessoas com deficiências participem de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso destes por todas as parcelas presentes em uma determinada população.” Ainda na Wikipedia uma definição mais voltada para o nosso tópico:  “Na Internet o termo acessibilidade refere-se também a recomendações do W3C, que visam permitir que todos possam ter acesso aos websites, independente de terem alguma deficiência ou não. As recomedações abordam desde o tipo de fonte a ser usado, bem como seu tamanho e cor, de acordo com as necesidades do usuário, até a recomendações relativas ao código (HTML e CSS, por exemplo)". Concordo plenamente com tudo, e sou totalmente a favor de seguir os padrões de acessibilidade,  mas temos que ter bom senso.

Capítulo 3 - Uma analogia

Em um ônibus por exemplo. A empresa responsável deve seguir padrões de acessibilidade, ou seja, permitir que toda a população possa usar o transporte coletivo. Sabemos que na prática não funciona muito bem, mas vamos seguir o raciocínio. A empresa não vai desenvolver um ônibus somente com bancos para deficientes. O que é mais sensato fazer( e é o que acontece normalmente), é criar bancos alternativos onde uma pessoa que possua deficiência seja bem acomodada. Este pode não ser o melhor exemplo, mas expressa o que penso em relação a Web.

Capitulo 4 - Conclusão

Devemos sim portar nossos sites e aplicações para todo o tipo de público, porém isso não quer dizer que devemos deixar de usar as tecnologias disponíveis. A Internet não seria o que é hoje se não tivéssemos o Javascript. Graças a essa linguagem e a diversas outras tecnologias temos a possibilidade de desenvolver Aplicações Ricas que antes não eram possíveis. Sejam cautelosos, usem padrões, respeitem as normas para acessibilidade, mas sem abdicar do poder que temos.

Alguns links úteis:

W3C - Web Content Accessibility Guidelines http://www.w3.org/TR/WAI-WEBCONTENT/

Estatística de Browsers http://www.w3schools.com/browsers/browsers_stats.asp

Site avaliador de acessibilidade(Em português) http://www.dasilva.org.br/

Trechos da discussão na lista e meu comentário:

  1. “Sua aplicação deve funcionar só com HTML”
    R: Concordo que a aplicação deve ter uma versão funcional em HTML. Mas se o usuário possui toda a tecnologia necessária par rodar uma Aplicação Rica, então que ele possa usar essa Aplicação. Quem não possui, fica apenas com a versão “pura”.

  2. “Vários celulares têm navegadores sem suporte a JavaScript”
    R: Verdade. Mesma idéia, se possui Javascript então de o melhor para este usuário.

  3. “JavaScript desabilitado não é nada de outro planeta, como muita gente pensa."
    R: Na verdade eu nunca conheci alguém que desabilite, mas sei que existe. Mas se eu desabilitasse o Javascript… não poderia nem estar postando aqui agora. Não poderia mandar um e-mail amanhã com o Gmail. Não poderia usar o Meebo como IM. Tanta coisa que eu perco com o Javascript desabilitado. A Web não seria a mesma.

  4. “merdas que tentam simular a interface desktop na web”
    R: Realmente esse comentário foi infeliz. Essa pessoa não conhece o conceito RIA.

  5. “Web não é Desktop”
    R: Ninguém nunca afirmou isso. O que tenta se fazer com RIA é trazer o melhor do Desktop para a Web.

  6. “O objetivo da web é manter as coisas SIMPLES”
    R: Pra mim a Web é uma coisa complexa.

Enfim pessoal, meu intuito aqui é compartilhar minha opinião e ouvir a opinião dos outros, todos comentários são bem vindos.

Pra quem quiser ver a thread: http://groups.google.com/group/javascript-bra/browse_thread/thread/7a673530169beb31?hl=pt-BR

http://www.congressoatitude.com.br