Como é ser um bom desenvolvedor em 2016

Circulou nesta semana mais um artigo que aborda o "pseudo-caos" em que se encontra o ecossistema JavaScript e FrontEnd nos dias atuais.
Não foi a primeira, segunda, terceira, e nem será a última vez que veremos um artigo como esse. Na minha opinião, isso não é de todo ruim.
Abordagens assim são importantes e fazem parte do ciclo natural de evolução.

Porém, vale lembrar que nada é verdade absoluta. Muita afirmação feita em torno do tema acaba sendo tendenciosa e até infundada.
Fora isso, artigos assim costumam mostrar a visão do escritor, o que não reflete 100% a opinião de toda a comunidade de desenvolvedores.

TL;DR

Always bet on JS.
Eich, Brendan - criador do JavaScript

Sério, pare de reclamar e vá aprender JavaScript logo.
Não é pré-requisito utilizar as ferramentas e bibliotecas mais modernas.
Sim, existe uma infinidade delas por aí, mas criar para a Web ainda é uma tarefa simples, prazeroza e divertida.
Aprenda JavaScript, HTML, CSS e tu estará pronto para fazer o que qualquer outro desenvolvedor faz.

O JavaScript é diferente

Eu costumava dizer isso para um antigo chefe, que teimava em querer aplicar o seu conhecimento em linguagens como C e Perl no mundo JavaScript.
Foi difícil convencê-lo e, de fato, não sei se em algum momento ele realmente entendeu a diferença.
Aplicar conceitos de desenvolvimento de software é uma coisa, querer usar RPM para deploy de arquivos JavaScript é outra.

O JavaScript roda em um abiente inóspito.
Planta em ambiente inóspito

Planta em ambiente inóspito

Existem diferentes versões de Browsers, diferentes versões de engines e diferentes versões da linguagem.
Além disso, no lado do cliente, o JavaScript nunca está sozinho.
O trio principal que compõe a stack FrontEnd ainda conta com nosso velho amigo HTML e com o CSS.
Essa stack é tão amarrada que muitos acabam confundindo suas responsabilidades e funcionalidades.
Outra coisa: A evolução do HTML e do CSS depende da W3C. Já o JavaScript, conta com um comitê, denominado TC39, que é formado por especialistas da linguagem.
O principal objetivo desses caras é não quebrar a Web, e acreditem, isso não é uma tarefa fácil, vide o caso do array.contains que foi removido da especificação ES2015, pois quebraria centenas de milhares de sites.

Era pós-jQuery e React

Elliot e Mr. Robot

Elliot e Mr. Robot

Lembram como era antes do jQuery?
Durante anos ficamos estagnados em um ambiente pobre de desenvolvimento, onde não existiam ferramentas apropriadas e precisávamos desenvolver o dobro ou triplo do tempo para tornar um site compatível em todos os Browsers.
O jQuery iniciou o que seria uma revolução que mudou esse cenário.
Atualmente o jQuery pode ser considerado irrelavante para muitos, mas uma breve analisada no Google Trends mostra que a biblioteca ainda continua firme, apesar de uma pequena queda.

jQuery no npm hoje (Outubro 2016):

91,169 downloads in the last day  
497,494 downloads in the last week  
2,151,927 downloads in the last month  

React no npm hoje (Outubro 2016):

97,471 downloads in the last day  
518,017 downloads in the last week  
2,230,489 downloads in the last month  

Qual a conclusão chegamos com esses números?
Não sei ao certo. Mas podemos notar que não existe uma diferença muito grande entre a popular do momento e a popular de outrora.
Concluo que os 2 estão sendo utilizados de diversas maneiras para resolver o problema de milhares de desenvolvedores pelo mundo.
E é isso que deve ser feito.
Precisa resolver um problema? Vai lá e resolve, da maneira que achar mais conveniente. Não use ferramenta X ou Y baseado no fator hype.

Desde o surgimento do jQuery eu sempre defendi o mesmo que citei acima: Aprenda JavaScript.
Este deve ser o objetivo. Para se tornar um bom desenvolvedor, aprenda JavaScript.
No próximo ano o React pode não ser a biblioteca do momento, mas eu garanto que as versões novas do JavaScript estarão rodando em todos os Browsers.

No BackEnd não é tão fácil

Easy like sunday morning

Easy like sunday morning

O artigo "How it feels to learn JavaScript in 2016" é baseado no artigo "It's The Future", que apresenta a dificuldade de desenvolver aplicações BackEnd nos dias atuais.
Fiquei aliviado quando li o artigo orginal, pois o meu primeiro pensamento foi exatamente esse: Peraí, ninguém notou que o "problema" não é só com o FrontEnd, mas sim com todo o ecossistema de desenvolvimento de software?

Desenvolver qualquer sistema/site/etc hoje pode se tornar uma tarefa difícil.
Micro-serviços? Docker? Containers? Nginx? Apache? Integração contínua? Cloud? Testes? Amazon?
As possibilidades são infinitas, assim como no mundo FrontEnd.
Nosso papel como desenvolvedor é justamente ponderar e escolher o que está mais de acordo com a necessidade em questão, skill do time e qualquer outra métrica que se aplique à sua empresa.

Conclusão

A resposta do Addy Osmani ao artigo citado no início do post é excelente:

I encourage folks to adopt this approach to keeping up with the JavaScript ecosystem: first do it, then do it right, then do it better.
Osmani, Addy

É bem isso. Primeiro faça, depois faça direito, e então faça melhor.

Para ser um bom desenvolvedor em 2016 basta fazer o que precisa ser feito.
Existe um mar de possibilidades e não há sinal de que o ecossistema irá parar de crescer.
Saber escolher as ferramentas corretas é a chave para o seu sucesso como desenvolvedor.
Não use por usar. Não escolha por escolher. Não escolha porque alguém escolheu.

Links úteis e referências:

How it feels to learn JavaScript in 2016
It's The Future
State of the Union.js
Javascript Fatigue
JavaScript fatigue fatigue
Everything is fine with JavaScript

comments powered by Disqus